Abelardo Luz | 26.10.2021 | 17h17 Justiça

Trio que invadiu casa após morador ficar em hospital com esposa no Oeste é condenado

O Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina decidiu manter a condenação de dois homens e uma mulher por invasão de domicílio, corrupção de menores, maus-tratos de animal e porte ilegal de arma de fogo.

Os crimes aconteceram em fevereiro, no município de Abelardo Luz.

Após o dono se ausentar da propriedade por 10 dias, para acompanhar sua esposa num tratamento médico em outra cidade, ao retornar se surpreendeu ao ver que outra família habitava sua moradia. A vítima pediu para os intrusos saírem da casa, mas foi ameaçada com armas de fogo.

PARTICIPE DO GRUPO DE NOTÍCIAS NO WHATSAPP

Para amedrontá-lo ainda mais, atiraram em direção ao cachorro pertencente aos verdadeiros donos do imóvel. Apesar de negarem os maus-tratos ao animal, a filha mais nova do casal acusado, em depoimento por gestos - pois tem problemas na fala -, confirmou que houve disparo em direção ao cachorro.

Por não ter êxito na saída da família de forma amigável, o proprietário acionou a polícia, que foi até o local, constatou a veracidade da ocorrência e prendeu os invasores em flagrante. Um dos policiais que participaram da abordagem, segundo o que consta nos autos, disse que viu alguém que corria em direção à mata e foi atrás. Quando se aproximou, descobriu que se tratava de uma criança de 11 anos, com uma arma nas mãos que, segundo ela, foi entregue pelo pai - um dos acusados – com a orientação para fugir do local.

Os réus foram condenados ao cumprimento de pena de 10 anos e nove meses de reclusão e 11 meses e 20 dias de detenção, em regime inicial fechado, além do pagamento de 40 dias-multa; três anos e cinco meses de reclusão e oito meses e 22 dias de detenção, em regime inicial fechado, além do pagamento de 10 dias-multa; e um ano e dois meses de reclusão e sete de detenção, em regime inicial aberto. A decisão foi unânime.

SIGA O PORTAL ACONTECEU NO INSTAGRAM

PARTICIPE DO GRUPO DE NOTÍCIAS NO TELEGRAM

Fonte: Portal Aconteceu, com informações TJSC