Lajeado | 15.09.2021 | 12h12 Polícia

Menina de 5 anos morre após ser estuprada e jogada em rio no RS

Uma menina identificada como Agatha Rodrigues dos Santos, de 5 anos, morreu na tarde do último sábado (4), após ser raptada e abusada sexualmente por um amigo da mãe, em Lajeado-RS.

PARTICIPE DO GRUPO DE NOTÍCIAS NO WHATSAPP

Segundo o delegado Dinarte Marshall Júnior, da Polícia Civil, ela foi encontrada boiando no Rio Taquari e levada ao Hospital Bruno Born, onde foi constatado o óbito.

"Um dos crimes mais bárbaros que se viu em Lajeado nos últimos tempos. Acredito que eu não me recordo de um crime tão bárbaro", diz o delegado.

A criança teria sido convidada pelo homem para ir a um supermercado próximo à barranca do rio e autorizada pela mãe. Depois de uma hora sem retornarem, ela saiu à procura da filha com outras pessoas.

Uma guarnição da Brigada Militar foi informada do sumiço e iniciou as buscas pela região. A mãe registrou a ocorrência na delegacia, e agentes da Polícia Civil e do Corpo de Bombeiros ajudaram nas buscas.

Conforme Dinarte, soldados da BM encontraram o homem retornando do rio "com as vestes molhadas e sujas de barro e com sinais de luta corporal, arranhões". "Ele foi detido, mas disse nada saber", aponta o delegado.

O suspeito foi mantido em custódia enquanto os demais agentes prosseguiam as buscas. No fim da tarde, outro homem indicou onde teria avistado a menina com o homem. A criança foi localizada sem roupa e levada ao hospital, onde foi tentada a reanimação, mas ela não resistiu.

"Já chegou lá com parada cardiorrespiratória. Não obtiveram sucesso e foi constatado o óbito às 17h38 deste dia 4 de setembro de 2021, que vai ficar marcado por esta tragédia", diz Dinarte.

Perícia e necropsia
As análises do Instituto Geral de Perícias confirmaram os indícios de violência sexual no corpo da menina relatados pelos médicos que a atenderam no dia do crime.

"A menina foi violentada sexualmente, e o laudo concluiu que a causa morte foi por asfixia em decorrência de afogamento. A menina foi jogada na água com vida, aspirou água e acabou falecendo", afirma.

O inquérito já foi concluído e encaminhado ao Ministério Público. De acordo com o delegado, o suspeito responderá por estupro de vulnerável e homicídio qualificado com quatro qualificadoras: recurso que impossibilitou defesa da vítima, meio insidioso ou cruel (asfixia), feminicídio e ocultação de outro crime.


Dinarte afirma que o suspeito tem antecedentes criminais por porte de arma, furto, roubo e chegou a ser preso por ameaça à ex-companheira.
"Foi preso em 21/7 por porte de arma, quando, juntamente com mais outro, tencionavam praticar um roubo de uma pessoa que estava anunciando um veículo para venda. Mas, infelizmente, foram soltos no dia seguinte", lamenta.

Fonte: G1