Campos Novos | 06.04.2021 | 11h11 Geral

Escola de comunidade quilombola é demolida em Campos Novos; polícia apura o caso

A Polícia Civil abriu um inquérito para investigar a demolição da Escola de Educação Básica José Faria Neto, que atendia uma comunidade quilombola, no interior de Campos Novos. A unidade foi destruída sem autorização da Secretaria de Estado da Educação na última quinta-feira (01).

A Escola Estadual ficava na Comunidade Remanescente do Quilombo Invernada dos Negros, em Campos Novos.

Na última semana uma máquina levou abaixo toda a estrutura da escola que atendia cerca de 100 estudantes do ensino fundamental ao médio, além de atender jovens e adultos da comunidade quilombola. A escola estava fechada por conta da pandemia e as atividades aconteciam de forma remota. Segundo Edson José Lopes Camargo, uma das lideranças da comunidade, todos foram pegos de surpresa com a demolição.

- Eles simplesmente destruíram a escola que abrigava a Educação Quilombola. Nós ainda não sabemos onde estão os nossos materiais que a gente tinha na escola e que eram usados pelos nossos professores, pelos nossos alunos. Nós estamos ainda em busca de respostas, comentou.

A unidade escolar foi construída com recursos públicos na década de 70, sobre o terreno de uma empresa privada, a suspeita é que essa empresa tenha sido responsável pela demolição. Segundo a Polícia Civil de Campos Novos, em depoimento o representante da empresa disse que a demolição seria em razão da construção de outra escola.

De acordo com a Secretaria de Educação do Estado (SED) ela não tinha autorização. Em nota a Secretaria informou que está apurando a ação e solicitando documentos a respeito do caso, para se necessário tomar as medidas cabíveis. Ainda segundo a nota, há uma escola nova, construída a cerca de 500 metros da antiga, que está atendendo toda a comunidade local, inclusive a comunidade quilombola.

A deputada Luciane Carminatti (PT), se manifestou sobre o assunto. Na segunda-feira (05) entrou com duas ações no Ministério Público e no Tribunal de Contas pedindo providências. Segundo a deputada, o ato é totalmente irregular, porque não se pode construir ou demolir uma escola pública em terreno particular sem que antes se tenha autorização da Assembleia Legislativa de Santa Catarina.

PARTICIPE DO GRUPO DE NOTÍCIAS NO WHATSAPP

SIGA O PORTAL ACONTECEU NO INSTAGRAM

PARTICIPE DO GRUPO DE NOTÍCIAS NO TELEGRAM

Fonte: DIÁRIO CATARINENSE