Chapecó | 25.08.2021 | 13h41 Esportes

Casas de apostas ocupam espaço de empresas nos patrocínios do futebol

Desde 2018 com a aprovação do projeto de lei sancionado pelo presidente Temer, as apostas esportivas passaram a ser legais no Brasil. O próximo passo será a regulamentação, o que deverá ocorrer até meados do ano que vem.

A previsão inicial era que a legislação entrasse em vigor em 2019, sendo posteriormente adiada. Enquanto isso o país perde milhões de reais que poderiam estar sendo cobrados na forma de tributos e licenças. Como as operadoras ainda não possuem sedes no Brasil, isso se torna impossível.

Com a aprovação da lei as grandes operadoras de jogos e apostas online começaram a divulgar suas marcas, cada uma querendo marcar seu espaço no mercado nacional. O objetivo final é estar na frente quando da regulamentação da lei.

O Brasil é visto como um mercado bastante promissor para essas casas de apostas, principalmente no futebol e nos jogos em geral, tanto os mais tradicionais como até os eSports e as slots machines. Hoje temos uma vasta opção de escolha na hora de fazer nossas apostas
como o site aposta10.com .

O mercado de apostas esportivas é tremendamente concorrido e, além da publicidade em campo, é preciso utilizar estratégias mais diretas para atrair novos jogadores. Entre as mais utilizadas são as promoções e os famosos bônus de boas vindas para novos clientes.

Os patrocínios no futebol
As apostas em futebol são uma das maiores preferências não só dos brasileiros, mas também de todo o mundo e as casas de apostas logicamente investem pesado em patrocínios direcionados as equipes de futebol.

No Brasil a publicidade das casas de apostas invadiu o mercado futebolístico nacional. Encontramos publicidades dessas operadoras nos estádios, nos intervalos de programas esportivos e nos clubes.

Atualmente temos 19 dos 20 clubes da Série A patrocinados por algum site de apostas, sendo a única exceção a equipe do Cuiabá.

Esses patrocínios podem ser nas camisas ou nos calções e não são uma exclusividade da elite do futebol, eles podem ser encontrados também nas Séries B e até mesmo na série C.

A busca por patrocínios do tipo aumentou bastante nos últimos anos, um reflexo também da desaceleração da economia e a dificuldade de encontrar parceiros para estampar as marcas dos uniformes. Até clubes grandes sofrem para achar o chamado patrocínio master.

A busca desenfreada por patrocinadores ocorre devido à situação de endividamento de nossos clubes. As grandes empresas perderam momentaneamente o interesse em patrocinar as equipes de futebol e as casas de apostas estão ocupando esse espaço vago.

Até mesmo campeonatos importantes são patrocinados pelos sites. Com a crise que assola nossas equipes as cotas de televisão já não bastam para cobrir seus gastos com folhas de pagamentos, premiações e pagamentos de dívidas acumuladas. Além dos salários cada vez mais polpudos dos atletas e dos treinadores de futebol.

São esses patrocínios que acabam permitindo que as equipes possam contratar grandes nomes para seus times.

Os valores envolvidos nesse mercado de patrocínios de sites de apostas dificilmente são abertos ao público, mas se levarmos em consideração o tamanho das equipes envolvidas que carregam em seus uniformes essas marcas, chega se a conclusão de que se trata de somas milionárias.

O marketing desses sites de apostas atua em várias frentes, inclusive contratando ídolos do futebol e outros esportes como embaixadores oficiais de suas marcas. São nomes influentes como Gabigol, Ronaldinho Gaúcho, Ronaldo Fenômeno, Rivaldo, Cafú, Douglas Costa, Felipe Melo, Denílson, entre outros.

A tendência é que os valores envolvidos nessas transações subam vertiginosamente assim que tenhamos encerrado o processo de regulamentação. Os grandes investimentos desses grupos serão direcionados não só para os sites, como também para os cassinos físicos, que ainda são uma dúvida se voltarão a território nacional –como era nos anos 1930 e começo da década seguinte.

Fonte: -