Chapecó | 30.06.2021 | 09h09 Economia

Bandeira vermelha aumentará conta de luz de mais de 3 milhões de consumidores

O reajuste de 52% na bandeira vermelha da conta de luz, anunciado pela Aneel nesta terça-feira (29) impactará todos os tipos de consumidores “cativos”, que compram energia diretamente da Celesc – de residências a indústrias. São mais de três milhões de unidades consumidoras em todo o Estado.

Luis Bernardo Baran, gerente de Regulação da Celesc, explica que a exceção é para os chamados consumidores “livres”, empresas que, devido ao alto consumo, podem escolher o fornecimento de energia em livre negociação. São 1,4 mil consumidores nessa categoria no Estado.

PARTICIPE DO GRUPO DE NOTÍCIAS NO WHATSAPP

O reajuste da bandeira vermelha, válido para todo o país, terá impactos em cadeia. A Celesc ainda não fechou o cálculo sobre o peso exato que esse aumento trará à conta de luz dos catarinenses. O G1 divulgou uma estimativa de 5,5% de aumento em todo o país, sem considerar os tributos municipais – o que indica que a diferença pode ser ainda maior.

A bandeira vermelha é adotada pela Aneel sempre que as condições de abastecimento no país entram em estado crítico. Nos últimos dois anos, ela foi adotada seis vezes – em agosto, setembro e outubro de 2019 (vermelha 1), em dezembro de 2020 (vermelha 2), março de 2021 (vermelha 1) e junho de 2021 (vermelha 2).

Quando essa sinalização aparece, o consumidor recebe um alerta de que a conta vai aumentar, para que busque economizar energia elétrica. Isso ajuda o governo a conter o risco de apagão.

Esse sistema de bandeiras é adotado nacionalmente, e independe das condições específicas de abastecimento na região. No momento, a situação é crítica nas regiões Sudeste e no Centro-Oeste, em razão da crise hídrica. Mas o impacto financeiro é compartilhado com todos os estados – inclusive Santa Catarina.

Baran explica que a definição das bandeiras, que são avaliadas mês a mês, evita que o consumidor receba um impacto muito grande de aumento, de uma vez só, no reajuste anual feito pela Aneel. É como se o preço fosse “diluído” ao longo dos meses, de acordo com o risco de desabastecimento.

O problema para o consumidor, no momento, é que o reajuste da bandeira vermelha foi significativo e ficou acima do esperado. Em período de crise hídrica, quando o prejuízo ao sistema de abastecimento pode perdurar por mais tempo, o aumento pode trazer impacto recorrente às contas de luz.

Fonte: NSC total