Chapecó | 16.05.2019 | 17h21 Saúde

'Sou alérgica ao meu próprio suor'. Entenda a alergia à água

Sentir dores todas as vezes em que começa a chorar, suar, tomar banho e até fazer para fazer xixi já faz parte da rotina da YouTuber britânica Niah Selway, 21. Há quatro anos, ela descobriu que sofre de alergia à água, uma condição rara. "Tomar banho dói, isso me deixa muito dolorida. Eu também sou alérgica ao meu próprio suor, então se eu suo, também dói. Até o meu próprio xixi me faz sentir dores", afirma Niah em um vídeo em seu canal no YouTube.

Segundo a alergista Rosana Agondi, membro da Asbai (Associação Brasileira de Alergia e Imunologia), a literatura médica descreve cerca de 50 casos de urticária aquagênica — a alergia à água — em todo o mundo.

Rosana afirma que a urticária é formada por lesões elevadas e avermelhadas na pele que apresentam coceira e demoram algumas horas para desaparecer. Algumas vezes, a urticária pode ser acompanhada por um angiedema — inchaço que ocorre em camadas mais profundas da pele.

Em seu vídeo, Niah afirma que seu caso é um pouco diferente, apresentando dores e sensação de queimação na pele em vez de coceira. A alergista afirma que, nas urticárias, de maneira geral, não é comum sentir dores, mas coceira e incômodo.

No caso da britânica, trata-se de uma urticária crônica induzida, ou seja, ocorre de maneira persistente por mais de seis semanas e possui um fator de estímulo para desencadear a reação da pele, no caso, a água.

De acordo com a alergista, pesquisas afirmam que esse tipo de urticária ocorre porque o organismo passa a produzir anticorpos contra determinados componentes do próprio organismo.

Porém, a urticária não se aplica a tomar água. "Na urticária aquagênica, o contato da pele com a água desencadeia a reação alérgica, independentemente da temperatura, mas a pessoa pode beber água. As mucosas não apresentam essas reações", afirma Rosana.

Rosana classifica o problema como incômodo, visto que a condição interfere na qualidade de vida. "Basta uma gota de água na minha pele para que, entre 10 e 15 minutos, minha pele comece a reagir. As dores costumam durar três horas. Imagine você ter que sentir dores intensas durante três horas e de maneira ininterrupta", conta Niah em seu vídeo.

A alergista afirma que é possível fazer o tratamento com uso diário de anti-histamínicos de segunda geração, pois apresentam menos efeitos colaterais e têm maior duração, podendo perdurar todo o dia.

"O tratamento é contínuo e a maioria das pessoas que precisam fazer esse tipo de tratamento responde bem. Caso necessário, os alergistas podem adequar a dose para que os efeitos sejam melhores. Com o tratamento, a urticária pode entrar em remissão", explica Rosana.

Foto:Reprodução/Instagram

Fonte: PORTAL R7