Santo Amaro da Imperatriz | 08.03.2018 | 08h05 Geral

Saúde de SC confirma primeiro caso de reação à vacina da febre amarela em 2018

Santa Catarina registrou o primeiro caso de reação à vacina contra febre amarela em 2018 e segue com um caso confirmado da doença, conforme a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive) divulgado na tarde desta quarta-feira (7). Oito casos estão em investigação e outros 24 foram descartados. O boletim é referente ao período entre 1º de janeiro e 5 de março e neste período foram aplicadas 63.491 doses da vacina no Estado.

Os sintomas da reação à vacina foram diagnosticados em um bebê de 10 meses. Ele recebeu a imunização em Santo Amaro da Imperatriz, na Grande Florianópolis. Após 13 dias da vacina, apresentou febre e vômito em sete dias. O bebê chegou a ficar internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Ao passar por tratamento, o quadro de saúde evoluiu para cura. Ele recebeu alta em 21 de fevereiro.

O caso foi classificado como evento adverso pós-vacinação depois de confirmação laboratorial. A Dive afirmou que esse tipo de reação é raro, especialmente os considerados graves e que são necessários atendimentos médicos imediatos.

A confirmação da doença envolve uma moradora de 57 anos de Gaspar, no Vale do Itajaí, que morreu em 17 de janeiro. A mulher havia viajado recentemente para o município de Mairiporã, na região metropolitana de São Paulo, e não era vacinada contra a doença. Confira os 162 municípios catarinenses com recomendação para a vacina contra a febre amarela.

Reação à vacina

O primeiro caso de reação à vacina contra febre amarela em 2018 envolve um bebê de 10 meses vacinado em 25 de janeiro. Os sintomas começaram com febre em 7 de fevereiro e evoluíram para vômito em sete dias. Ele foi atendido em 16 de fevereiro na emergência do Hospital Infantil Joana de Gusmão, em Florianópolis e ficou em UTI por dois dias.

Com a melhora do paciente, ele foi transferido para o quarto três dias depois. Ele recebeu alta em 21 de fevereiro e o quadro dele evoluiu para cura, segundo a Dive.

De 1º de janeiro a 5 de março, houve oito casos suspeito de reação à vacina. Desses, seis foram descartados, um confirmado e um está sob investigação, conforme o boletim.

“Reforçamos que a vacina contra a febre amarela é considerada segura, sendo a medida mais eficaz para a proteção contra a doença. Ela é feita a partir do vírus vivo atenuado, que estimula a produção de anticorpos contra a doença”, afirmou a gerente de imunização da Dive, Vanessa Vieira da Silva.

Casos da doença em investigação

De acordo com o boletim da Dive, dos oito casos em investigação, cinco tiveram histórico de deslocamento para uma área com recomendação de vacina nos 15 dias anteriores ao aparecimento dos sintomas. Os outros três casos ainda não têm informações sobre viagens dos pacientes. Nenhum dos oito tinha se vacinado contra a febre amarela.

Dos casos em investigação, cinco são de moradores de municípios sem recomendação para a vacina (Balneário Camboriú, no Litoral Norte, Joinville, no Norte, e Florianópolis) e três em área com recomendação de imunização (Lages, na Serra, e Peritiba e Campos Novos, no Oeste).

Macacos

Em relação à morte de macacos, até agora não houve nenhuma relacionada à febre amarela, conforme o boletim. São investigados 34 casos. Foram descartados outros 31 e 34 tiveram causa da morte indeterminada, no período entre julho de 2017 a 5 de março.

A Dive pede a ajuda de moradores nesse monitoramento. "É preciso que a população informe imediatamente, o mais rápido possível a unidade de saúde mais próxima para que a equipe seja acionada e que possa coletar as vísceras desse animal para que a gente tenha a informação se a morte foi causada por febre amarela ou não", afirmou a gerente de Zoonoses da Dive, Suzana Zeccer.

Reunião

Nesta quarta, a Dive se reuniu com representantes de vários setores para discutir estratégias de combate à doença em todo o estado e também capacitar profissionais para orientar a população. A videoconferência no Centro Integrado de Gestão de Riscos e Desastres de Florianópolis foi acompanhada em 18 cidades.

Febre amarela

A febre amarela é causada por um vírus e é transmitida pela picada de fêmeas de mosquitos infectados. Os sintomas são:

* febre
* calafrios
* dor de cabeça
* dores nas costas*dores no corpo*fadiga
* fraqueza

Em casos graves, o paciente pode ter:

* febre alta
* icterícia (coloração amarelada da pele e do branco dos olhos)
* hemorragia
* choque e insuficiência de múltiplos órgãos

Fonte: G1