Joinville | 08.03.2018 | 16h46 Bombeiros

Queda de helicóptero em bairro de Joinville deixa mortos

A queda de um helicóptero na tarde desta quinta-feira (8) provocou a morte de três pessoas e deixou uma ferida no bairro Paranaguamirim, na Zona Sul de Joinville, no Norte catarinense. A aeronave com quatro pessoas a bordo havia sido sequestrada em Penha e caiu numa rua por volta das 16h, perto de várias casas, pegando fogo depois.

Existe a suspeita de que o sequestro tenha ocorrido para resgatar um detento, informou a Polícia Civil. A queda foi a aproximadamente 2 km do Presídio Regional de Joinville. Nos destroços foram encontrados um revólver e uma pistola.

O helicóptero foi alvo de sequestro depois de decolar, disse a delegada regional, Tânia Harada, após ter sido supostamente contratada para um passeio de sobrevoo na área de Joinville. Testemunhas contaram à polícia que ouviram tiros antes da queda.

"Vamos depender da perícia para saber se alguém foi alvejado", declarou Tânia.

Os mortos são o piloto, identificado como Antônio Mário Franco Aguiar, de 57 anos, o copiloto e um passageiro. O sobrevivente é Daniel da Silva, 18 anos, detento do regime semiaberto. Ele teve ferimentos leves, foi resgatado momentos depois da queda e levado para um hospital.

"O piloto, no que saiu de Penha, encaminhou para Curitiba uma mensagem, um código, de que a aeronave tinha sido sequestrada", disse Tânia.

O helicóptero é da Avalon Táxi-aéreo, que presta serviço para o Beto Carrero World. Mas a empresa disse que nesta quinta não estava trabalhando para o parque, que fica em Penha. A aeronave tem prefixo PR HBB, modelo BELL 206, disse o Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos).

A Avalon Táxi-Aéreo tem sede no Paraná.

Investigação

Conforme o Cenipa, o Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa 5), de Porto Alegre, iniciou as investigações sobre os fatores que podem ter contribuído para a queda e uma equipe está deslocando para o local. Não há data prevista para conclusão da investigação.

Fonte: G1