Chapecó | 22.11.2018 | 16h06 Saúde

Programa Mais Médicos já tem 6.394 inscritos para substituir cubanos

O Ministério da Saúde afirma que o programa Mais Médicos recebeu o cadastro de 6.394 inscritos na seleção emergencial para substituir profissionais cubanos no até a manhã desta quinta-feira (22). No total, são 8.517 vagas ofertadas.

Entretanto, nem todo o contingente de 6 mil profissionais que manifestaram interesse concluíram o processo. Segundo a pasta, 2.209 profissionais chegaram a concluir a inscrição e escolheram a cidade de atuação. Os médicos que já iniciaram o processo, mas não finalizaram a escolha e o cadastro de todos os dados, teriam até as 23h59 de domingo (25) para fechar o processo.

Por causa da instabilidade no site de inscrições, que estava fora do ar novamente nesta quinta-feira, o Ministério da Saúde deve prorrogar o prazo.“Nós devemos prorrogar e isso nos vamos decidir ainda hoje no final do dia, porque nós tivemos uma série de problemas, de tentativas de invasão, dificuldade no sistema de cadastramento daquele edital que publicamos na última terça-feira”, afirmou o ministro da Saúde, Gilberto Occhi, em visita a Petrolina.

De acordo com o ministério, o Departamento de Informática do SUS identificou a maior parcela dos robôs e máquinas programadas que estão promovendo os ataques ao site dos Mais Médicos. Em nota, o ministério disse que os problemas estão sendo resolvidos. "Nesta manhã, a equipe de segurança do sistema estará isolando e protegendo a rede desses ataques. A expectativa de estabilidade no início da tarde. Os interessados devem manter a tentativa de acesso."

Opção pelo local de atuação
A opção pelo local de atuação é feita no momento da inscrição e reserva a vaga para o médico, mas a garantia só é feita após a entrega dos documentos, segundo assessoria do Ministério da Saúde.

Após a conclusão das inscrições para profissionais formados no Brasil ou com diploma revalidado, um segundo edital, para profissionais estrangeiros sem diploma revalidado, está previsto. Inicialmente ele seria divulgado na próxima segunda-feira (26).

A expectativa da pasta é de que o número de inscritos seja atualizado novamente ainda nesta quinta, mas um levantamento detalhado sobre os locais de atuação escolhidos não deve ser feito até domingo.

No segundo dia de inscrições, a página do Mais Médicos continuou instável, ficando fora do ar na manhã de quinta-feira (22). Já na quarta (21), primeiro dia de cadastro no programa, o site também ficou fora do ar. O Ministério da Saúde atribuiu a falha ao alto número de acessos e, possivelmente, a ataques cibernéticos.

Depois, disse que os acessos simultâneos tinham característica de ataques cibernéticos e que o governo federal tentava isolar as ações que comprometiam o sistema. No entanto, o problema persiste.

Voos de retorno a Cuba
De acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), cinco voos de retorno a Havana devem deixar o Brasil até o sábado (24). Os primeiros devem sair do país ainda na quinta-feira (22), e há outros programados para sábado. Os médicos sairão do Brasil por Brasília, Manaus, Salvador e São Paulo.

A organização não deu detalhes, no entanto, de horários em que os voos devem sair, alegando motivos de segurança, ou de quantos profissionais embarcarão neles. Segundo a assessoria do órgão, os cubanos devem deixar o país em voos fretados, e já estão se dirigindo aos pontos de saída.

28 milhões de desassistidos
De acordo com a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), a saída de cubanos do programa Mais Médicos afetará 28 milhões de pessoas.

"Entre os 1.575 Municípios que possuem somente médicos cubanos do programa, 80% possuem menos de 20 mil habitantes. Dessa forma, a saída desses médicos sem a garantia de outros profissionais pode gerar a desassistência básica de saúde a mais de 28 milhões de pessoas", pontuou a entidade.

São Paulo e Bahia são os estados que mais perderão médicos. A saída dos profissionais já causou falta de atendimentos em vários locais em ambos os estados.

A decisão de Cuba de sair do programa Mais Médicos foi anunciada pelo governo do país no último dia 14. O país tem uma parceria com a Opas, que estabeleceu o acordo com o Ministério da Saúde brasileiro para enviar os profissionais caribenhos. O acordo foi estabelecido há 5 anos pelo governo de Dilma Rousseff.

"O Ministério da Saúde Pública de Cuba tomou a decisão de não continuar participando do Programa Mais Médicos e assim comunicou à diretora da Organização Pan-Americana de Saúde [Opas] e aos líderes políticos brasileiros que fundaram e defenderam a iniciativa", disse a nota do governo.

Foto: Reprodução

Fonte: G1