Chapecó | 28.06.2019 | 20h51 Esportes

Menino troca nome de Neymar por Everton e ganha presente do ídolo: "Muito emocionado"

"Tenho um presente pra você". Assim, com essa mensagem no Instagram, começou a tarde do pequeno Victor Henrique, de oito anos. Após improvisar o nome de Everton no lugar do de Neymar em uma camisa do Brasil para ir ao jogo contra o Paraguai, o garoto foi convidado pelo jogador do Grêmio a visitar o hotel da Seleção nesta quinta-feira, em Porto Alegre. O encontro com o ídolo será lembrado como o dia mais feliz de sua vida, diz ele.

Victor é filho Larissa Oliveira e Thiago Medeiros, moradores de Porto Alegre e gremistas apaixonados. Na noite de quinta-feira, os pais conseguiram ingressos para a família ir ao jogo do Brasil contra o Paraguai, na Arena, pelas quartas de final da Copa América. Quando estavam se arrumando para sair, surgiu um problema.

"É meu ídolo. Estou muito mais feliz agora que foi convocado... Desculpa, tô nervoso. É um dia muito especial para mim" (Victor Henrique, sobre o encontro com Everton)

O pequeno gremista não tinha uma camisa da Seleção com o nome de Everton, mas uma de Neymar e o número 10 às costas. Fã de Cebolinha, decidiu improvisar. Pegou uma caneta, e com a ajuda da mãe, riscou o nome do craque do PSG e escreveu acima o do atacante do Grêmio. Além disso, ainda fez o 10 virar o 19 — atual número da camisa de Everton na Seleção.

Ao chegar no estádio, a mãe decidiu tirar uma foto e compartilhar nas redes sociais. A postagem não recebeu muitas curtidas e comentários até o momento, mas bastou uma visualização para que o sonho de Victor virasse realidade. Por volta das 13h, quando os jogadores da Seleção almoçavam no hotel e a família Oliveira se organizava para levar o filho na escola, Everton viu a publicação de Victor e o convidou para receber um presente.

– Vem aqui no hotel hoje. Tenho um presente pra você – escreveu Cebolinha.

Os três pararam tudo que estavam fazendo e mudaram a rota: da escola para a concentração da Seleção, na zona norte da capital gaúcha. O encontro estava marcado para às 14h na recepção do hotel. Mesmo com todo o tumulto de torcedores circulando pelo local, Cebolinha teve olhos para achar Victor e o chamar para entregar o presente prometido: uma camisa da Seleção, com seu nome às costas, autografada.

– A gente viu a resposta, e o Victor disse: "Será que é ele"? Era ele mesmo. Estava cheio de crianças, mas o Everton reconheceu o Victor, deu a camisa, autógrafo. Humildade incrível. Jamais imaginei que iria chamar. Quantas pessoas não marcam ele (no Instagram)? – relata Larissa.

Victor começou a jogar futsal desde seus primeiros anos de idade. Há três meses começou a jogar pelo São José, clube de Porto Alegre. Assim como o ídolo, é um ponta-esquerda, destro e veste a camisa 11. Para o pequeno gremista de oito anos, o encontro com Everton já é o dia mais feliz de sua vida.

– Fiquei muito emocionado. Eu falei: "É o dia mais feliz da minha vida". Everton é meu ídolo desde pequeno. Quando era reserva, sempre admirei ele. É rápido que nem eu. Dribla bastante, tem aquele senso que sabe o que faz. É meu ídolo. Estou muito mais feliz agora que foi convocado... Desculpa, tô nervoso. É um dia muito especial para mim – contou Victor, emocionado.

O pai conta que Everton é uma inspiração para o garoto dentro de campo e também por sua trajetória, desde os tempos da base no Fortaleza até ganhar espaço aos poucos no Grêmio e brilhar com a Seleção de Tite na Copa América. Um exemplo de persistência que não serve só para o futebol, ensina Thiago ao filho.

– Se ele quiser ser cozinheiro, vamos investir e apoiar para que seja o melhor cozinheiro. Tudo o que quiser fazer, vamos investir. Mas ele gosta muito de futebol. A gente tem que esconder a bola dentro do carro, porque ele tá sempre jogando. É muito cedo pra dizer que a prioridade dele é ser jogador, porque ele tem só oito anos. Mas vamos levar ele até onde ele quiser – garante o pai.

Fonte: GLOBO ESPORTE