Florianópolis | 23.05.2019 | 21h51 Polícia

Justiça de SC decreta prisão de mulher suspeita de matar marido coronel da PM

A Justiça decretou, durante audiência de custódia na tarde desta quinta-feira (23), a prisão preventiva de Tânia Zapelline Ribeiro, mulher do coronel da Polícia Militar Sílvio Gomes Ribeiro. Na quarta (22), ele foi encontrado morto dentro de casa, em Florianópolis. A esposa dele é a principal suspeita do crime e havia sido presa em flagrante na própria noite de quarta.

O G1 não conseguiu contato com o advogado de Tânia. A conversão da prisão em flagrante para preventiva foi dada pelo juiz da Vara do Júri da Capital Renato Mastella a pedido do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC). Durante a audiência, a mulher foi ouvida na presença do advogado. Depois, levada para o presídio feminino da capital.

O oficial morreu por causa de um corte no pescoço e traumatismo craniano encefálico, de acordo com o Instituto Geral de Perícias (IGP).

Segundo a Polícia Civil, após ser presa a mulher confessou em depoimento na Delegacia de Homicídios ter assassinado o marido, alegando legítima defesa. Ela afirmou que usou um haltere para se defender de uma ameaça feita pelo marido, depois que ela tentou evitar um ato de suicídio dele.

Perfil
Ribeiro tinha 54 anos e encerrou a carreira em 2014, conforme a PM, quando era o comandante do 21º Batalhão, no Norte da Ilha. O coronel era pai de cinco filhos e trabalhou por mais de 30 anos na Polícia Militar catarinense. Em nota, a corporação lamentou a morte.

O corpo do oficial foi velado durante a manhã desta quinta em Florianópolis e foi sepultado por volta das 15h.

Fonte: G1 Santa Catarina