Chapecó | 11.10.2017 | 18h58 Geral

Incêndios na Califórnia deixam mais de 500 desaparecidos

Fogo já matou 17 pessoas e destruiu 46 mil hectares

LOS ANGELES - Subiu para 560 o número de desaparecidos nos incêndios florestais que já queimaram cerca de 46 mil hectares na Califórnia, no oeste dos Estados Unidos, nos últimos dias. De acordo com as autoridades locais, 17 pessoas morreram e ao menos 3,5 mil edifícios, entre residenciais e comerciais, foram destruídos pelas chamas, que estão devastando a região. Dos 670 desaparecidos, 110 foram localizados, segundo o xerife de Sonoma, Rob Girodano. O xerife acredita que o número de mortos deve subir à medida que os bombeiros consigam acesso às zonas destruídas.

Setenta e três torres de celulares foram destruídas, o que dificulta a localização de muitos moradores. Parte desses desaparecidos pode estar abrigada em casas de parentes ou amigos, disse Girodano. Centenas de bombeiros continuam lutando contras as chamas, alimentadas pelo forte vento. Cerca de quatro mil pessoas, entre bombeiros, socorristas, associações não governamentais e militares da Guarda Nacional trabalhavam no combate às chamas.

A maioria dos focos começaram no domingo e avançam com extrema rapidez. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou nesta quarta-feira estado de catástrofe natural na região. Milhares de moradores das cidades afetadas se viram obrigados a fugir das chamas. Nesta quarta-feira, muitos ainda deixavam suas casas. Somente no condado de Sonoma, mais de 25 mil pessoas saíram de suas residências e cinco mil conseguiram se refugiar em abrigos temporários.

Várias vinícolas foram destruídas parcial ou totalmente. Algumas continuavam na trajetória das chamas nesta quarta-feira. A vinícola Signorello Estate foi reduzida às cinzas. Seu diretor, Ray Signorello Jr, assinalou no Facebook que os trabalhadores tentaram lutar contra as chamas no domingo, mas tiveram que abandonar os esforços quando o incêndio alcançou o prédio principal. A empresa de vinhos orgânicos Frey também foi atingida pelo fogo, enquanto a família vinicultora Donelan cruzava os dedos para não sofrer as consequências do desastre, mesmo que esteja na zona de evacuação.

— O fogo não está controlado e o vento aumenta. Não há como saber se estamos fora de perigo — contou Cushing Donelan.

Outubro é o mesmo que historicamente a Califórnia, o estado mais populoso do país, sofre os maiores incêndios. O incêndio mais mortal da história da Califórnia, o "Griffith Park" aconteceu em outubro de 1933 e deixou 29 mortos perto de Los Angeles. O mais destrutivo foi o "Tunnel-Oakland Hills" que destruiu 2.900 edifícios e matou 25 pessoas em outubro de 1991.

Fonte: G1