Chapecó | 09.05.2019 | 08h30 Esportes

Hoje a 90 km do filho, mãe relembra começo de Tiepo e coragem para incentivar sonho

Quantos passos até que um jovem finalmente conquiste o sonho de se tornar jogador profissional de futebol? Tiepo saiu de casa cedo, com 10 anos, para tentar a sorte no Inter. O mundo da bola girou e ele parou em Chapecó, a 90 km de São Domingos, sua terra natal, para jogar na Chapecoense.

A proximidade de casa favorece para que a família acompanhe de perto uma carreira ainda em ascensão. Titular da meta verde e branca no início do Brasileirão, o jovem de 21 anos, aos poucos vê a ficha cair. Imagine então a mãe Andreia, que desde sempre assiste o pequeno entrar em campo, com o sentimento de preocupação dividindo o peito com o orgulho

A gente fica realizado junto com ele (emocionada). As pessoas veem ele assim hoje, mas o que a gente passa, o que ele passou...
- Foram muitos (jogos). Sempre. Quando estava na base ainda, sempre ia assistir. Em Chapecó é mais perto, porque mora a uma hora e meio, então a gente vem, mesmo quando não estava na titularidade - conta a mãe Andreia Tiepo.

Dispensado do Inter em 2012, Tiepo temeu que a carreira chegaria ao fim precocemente. De volta a São Domingos, contou com o apoio dos pais para buscar uma nova chance. Depois disso foi com ele, com trabalho, dedicação e muitas horas dedicadas.

- Em 2012, fui dispensado do Inter, pensei que não ia mais jogar. Fiquei na minha cidade um ano. Teve um momento que eles falaram, filho quer voltar? Falei que sim. Teve a oportunidade aqui e deu tudo certo. Morei com minha prima no começo - conta o goleiro.

A família não apenas incentivou, mas acreditou em um sonho que nasceu em um Giovani Tiepo ainda criança. Natural em um país que vive futebol, mas incomum quando se percebe a seriedade com o que o goleiro encara aquilo que é um objetivo de vida.

- Desde pequeno tenho esse sonho e coloquei a meta na cabeça de que vou conseguir independente do que passar, das dificuldades, ficar longe da família, se quero tem o preço a pagar - diz o atleta.

- Até hoje me pergunto como tive essa coragem. Era o sonho dele, a gente acreditou nisso. Ele é testemunha que ligo todos os dias...

- Toda hora. Primeira mensagem é para mãe. Ela (namorada) fica brava comigo, mas é para mãe. Aviso quando saio daqui e quando chego lá. Se não ela me liga - conta Tiepo com divertimento.

- Agora é mais fácil, no profissional, tem notícias, mas quando era pequeno ligava duas vezes ao dia.

A retribuição do jovem, além de manter a família informada sobre cada passo na carreira é com boas atuações em campo. Destaque da Chape, o goleiro aos poucos vai conquistando um espaço no coração da torcida alviverde, assim como tem no da mãe.

Foto:Eduardo Florão

Fonte: GLOBO ESPORTE