Chapecó | 15.03.2019 | 10h51 Geral

Ford faz acordo em Camaçari e abrirá programa de demissão voluntária

O Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari, na Bahia, informou nesta quinta-feira (14/3) que fez acordo com a Ford e, com isso, desistiu de entrar em greve. A negociação foi encerrada na quarta-feira (13/3) à noite e os trabalhadores aprovaram o acerto em assembleia ocorrida nesta quinta (14/3).

O acordo, segundo o sindicato, garante estabilidade aos trabalhadores por um ano, depois de a empresa ter sinalizado a demissão de 700 pessoas. A montadora informou que vai abrir um programa de demissão voluntária, sem detalhar quando nem sob quais condições. O sindicato acredita que o PDV deve ser aberto já no próximo mês.
O acordo, além disso, estabelece que os salários de até R$ 7.515 terão reposição de 100% da inflação, levando em conta o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor). Salários superiores terão reposição de 50% do índice, ou seja, perda real.

Os reajustes só entrarão em vigor a partir de julho, data-base da categoria na região.Também ficou acertado, entre outras pontos, que a empresa vai pagar PLR (Participação em Lucros e Resultados) de R$ 19.640, com a primeira parcela em maio, e adicional noturno de 37,14% aos trabalhadores sobre o valor da hora trabalhada de dia, ante o mínimo de 20% previsto em lei.

A jornada de trabalho ficou combinada em 40 horas de segunda a sexta-feira. De acordo com o presidente do sindicato, Júlio Bonfim, a Ford aceitou todos os pontos que foram propostos pelos sindicalistas. A proposta inicial da montadora previa, além das demissões, PLR de R$ 11.100 e jornada de 44 horas de segunda a sábado, entre outros itens.

O sindicato, na segunda-feira, chegou a aprovar um indicativo de greve, prometendo paralisar a partir desta quinta caso a empresa não se posicionasse.A fábrica da Ford em Camaçari tem operado em três turnos, e, considerando todo o complexo produtivo em torno da planta, gera cerca de 10 mil empregos, ainda segundo o sindicato.

Apesar da produção a pleno vapor, a empresa pretende reduzir o quadro de funcionários porque considera que conta com excedente de pessoal.Após a decisão da montadora de fechar a fábrica de São Bernardo do Campo (SP) ao longo de 2019, a planta baiana será a única da marca a produzir veículos no Brasil. A unidade monta os automóveis Ka e EcoSport. A Ford também tem uma fábrica de motores em Taubaté (SP).

Foto:GETTY IMAGES VIA BBC NEWS

Fonte: ÉPOCA