Chapecó | 11.01.2018 | 17h02 Geral

Filho de morta por febre amarela diz que mãe foi orientada a procurar médico antes de tomar a vacina

A família de Abgail Pereira dos Santos Souza, que morreu em decorrência de febre amarela em Jarinu (SP), disse que ela tentou tomar a vacina contra a doença em uma Unidade Básica de Saúde (UBS), mas foi orientada a procurar um médico antes por usar medicamentos antidepressivos.

Alguns dias antes de surgirem os sintomas, a mulher, de 54 anos, havia informado à Secretaria Municipal de Saúde que apareceu um macaco morto no quintal da chácara onde morava, no bairro Soares, zona rural de Jarinu.

De acordo com o filho dela, Willian Ezequiel, a mulher foi atendida na unidade mista de saúde da cidade pelo menos quatro vezes em dezembro com fortes dores nas costas e no abdômen. A suspeita de febre amarela surgiu no fim do mês.

"Os médicos falaram que o estado dela já era crítico, o fígado e o rim já estavam bem prejudicados, não conseguiram nem fazer exame nela. Falaram que se tivesse feito antes poderia ter salvado a vida dela", conta.

Segundo o secretário de Saúde de Jarinu, Antenor Gomes Gonçalves, Abgail não teve febre, mas, como apresentou estado de saúde agravado no dia 27 de dezembro, foi transferida para o Hospital São Vicente, em Jundiaí (SP), onde morreu quatro dias depois.

"Ela tinha exames negativos no dia 22 e só no dia 27 que começou a apresentar manifestações para febre amarela. Tem um período entre a manifestação clínica e a realização do exame, que são seis dias", explica.

Análise ética
A Secretaria de Saúde de Jarinu informou ainda que segue as orientações do Ministério da Saúde e da Secretaria Estadual de Saúde quanto às formas de aplicação, indicação e contra-indicação da vacina.

Segundo a nota, somente a comissão de ética médica poderá julgar a suspeita de negligência médica. Após o laudo positivo, todas as informações dos atendimentos já foram encaminhadas para análise.

Prevenção
Mais de 20 mil doses da vacina contra a febre amarela já foram aplicadas em Jarinu desde o início da campanha, em 2017.

A vacinação, única forma de prevenir a doença, é feita no Ambulatório Central de Saúde e nos ambulatórios dos bairros Trieste e Maracanã de segunda a sexta-feira, das 8h às 11h e das 13h às 16h.

Na UBS da Vila Primavera as doses são aplicadas às terças e quintas-feiras, das 9h às 11h30 e das 13h às 15h30. Já os moradores do Campo Largo podem se vacinar às quartas e quintas-feiras, das 13h às 16h.

Fonte: G1