Pinhalzinho | 07.01.2019 | 15h18 Política

Ex-presidente da Câmara de Pinhalzinho emite nota explicando compra de carro

Após grande polêmica envolvendo a compra de um veículo VW/Virtus no valor R$ 70 mil reais, pela Câmara de Vereadores de Pinhalzinho, o vereador Sadi José Liston (MDB) que até então era o presidente do Legislativo se pronunciou pelas redes sociais.

Leia na integra a nota divulgada pelo vereador ex-presidente da câmara.

"Com a aquisição do veículo para a Câmara de Vereadores de Pinhalzinho, amplamente divulgado pelos meios de comunicação, os munícipes utilizaram as redes sociais para se manifestar sobre o assunto. Isso é democracia, todos podem e devem expressar suas opiniões. A questão é que dentre estes comentários, temos alguns ofensivos, difamadores, que distorcem a realidade dos fatos no intuito de promover polêmica. Buscando sanar dúvidas e esclarecer os fatos, o presidente do Legislativo Pinhalense, vereador Sadi José Liston, esclarece:

Além da função de vereador, sou Presidente do Poder Legislativo Pinhalense, responsável pela gestão de 17 pessoas (06 funcionários e 11 vereadores), toda a parte funcional é de minha responsabilidade.

Sou gerente administrativo da empresa Sadicar e ao mesmo tempo funcionário, pois trabalho no conserto dos veículos. Administro inúmeros alugueis de minha propriedade, sou produtor rural especializado na produção de eucalipto, consumido por várias empresas de Pinhalzinho como matéria prima para as suas produções.

Tenho dois filhos que residem em Florianópolis, seguidamente os visito para ver como estão. Os dois estudam engenharia na UFSC. Quando vou visita-los, claro que as minhas custas, aproveito para visitar Secretarias do governo do estado e gabinetes de Deputados na busca de recursos para obras em nosso município.

Atuei no desembargo do antigo prédio da UDESC, que estava na justiça para agilizar a reforma, estimada em mais de R$ 2.000.000,00 e na liberação de recursos para a construção do prédio novo de R$ 5.800.000,00. Também para garantir o Curso de Engenharia Química, que é resultado da ação dos vereadores Pinhalenses. Pleiteamos a reforma da Escola Vendelino só não ficou pronta por interferências na licitação.

O meu partido, mesmo sendo oposição ao Prefeito, trouxe mais de R$ 6.000.000,00 em recursos para serem investidos em obras, a exemplo do Parque Olaria na Antiga Cerâmica Drews, da pista de Skete na Praça do Lago, entre tantas outras.

Participo da comunidade do Bairro Divinéia, onde viabilizamos junto ao Gabinete do Deputado Federal Celso Maldaner, R$ 120.000,00, que viabilizaram a obra de reforma.

Sou sócio do AJAP, Pinhal Piscina Club, CTG, Juventude FC, LPFC, membro fundador do JCI, entre tantas outras participações sociais minha e de minha esposa.

Me chamar de vagabundo é descabido, pois trabalho 15 horas por dia. Sou Bacharel em Ciências Contábeis e estudei economia por dois anos. Tenho 54 anos de idade e 42 anos de contribuição ao INSS. Eu poderia estar aposentado a sete anos por tempo de serviço, mas ainda não busquei este direito/beneficio, por que estou na ativa, trabalhando, contribuindo no desenvolvimento do nosso país.

Entrei na politica para ajudar pessoas e não para ganhar dinheiro. Tenho meus negócios para viver, como os demais colegas vereadores. A compra do um veículo médio, 1.6, no valor de 72.500,00, não deveria ofender, pois não escondi a informação, pelo contrário, chamei a imprensa e dei publicidade ao ato, mostrei o que comprei, como comprei e quanto pagamos, bem como por que da compra, qual a forma de uso e pôr quem será utilizado.

Com a compra suprimos uma deficiência do legislativo. Hoje temos uma série de atividades e obrigações. Para ir ao trabalho todos tem seu veículo particular, mas executar o trabalho da casa com o carro particular, sob os riscos que o trânsito oferece a qualquer um, e sem ressarcimento dos custos, isso é complicado e gera responsabilidades ao gestor.

A câmara não vai adquirir vários veículos, a demanda é para um veículo, que possa ser utilizado para pequenos trajetos bem como para os longos, que comporte cinco adultos com bagagem, afinal as atividades geralmente acontecem na capital e com duração de mais dias.

Pergunto: se alguém está a trabalho representando o Legislativo com seu veículo próprio, em caso de um acidente, como fica? E se por infelicidade houver mortes, quem indeniza? Como fica os danos materiais? Independente de ser servidor público, vereador ou qualquer outro cidadão, a legislação é a mesma, seja nos direitos ou nos deveres.

De onde vem o dinheiro da compra do carro? R$ 50.000,00 economizados em publicidade dos atos, R$ 20.000,00 de diárias e R$ 10.000,00 em passagens. Assim somamos R$ 80.000,00, resultado de uma gestão rigorosa. Com um processo licitatório transparente e correto, acompanhado pelo Observatório Social, cumprindo com todos os preceitos previstos em Leis, o recurso foi investido. O veículo faz parte do patrimônio do município e terá utilidade por vários anos, e, em seu uso, sempre promoverá economia de recursos.

Este veiculo por ser público, não paga IPVA, é isento de taxas de licenciamento, e foi adquirido com três anos de garantia. A título de informação, tem Câmaras de Vereadores de municípios menores que o nosso, que adquiriram veículos de valores bem superiores ao nosso.

Meus amigos, quero dizer que além da aquisição do veículo, reformamos a parte externa do prédio da Câmara de Vereadores que estava bastante danificado, obra licitada. Ninguém parabenizou, isso porque, por vezes, vemos só pelo lado negativo. Realizamos neste ano a devolução de R$ 410.890,00 para o Poder Executivo, sem contar que o orçamento do legislativo é um terço do que a lei garante a este poder. Isso é resultado de trabalho sério e responsabilidade na gestão do recurso público.

Por isso peço que reflitam sobre os fatos, que acompanhem os atos do Poder Legislativo, conversem com os vereadores, questionem para sanar suas dúvidas, busquem as informações corretas. Com isso, evitaremos injustiças, comentários maldosos, informações distorcidas. Não precisamos desvalorizar o trabalho realizado, tenho a consciência tranquila que dei o melhor de mim, fiz tudo dentro da legalidade, administrei o recurso público, primando sempre pela economia.

Abraços a todos e conto com a compreensão."

O Portal Aconteceu reitera que trabalha de forma imparcial, e sempre estará de portas abertas para atender aos cidadãos que muitas vezes por si próprios, tem dificuldades para serem ouvidos.

Fonte: PORTAL ACONTECEU