Chapecó | 31.08.2019 | 15h34 Educação

Estudantes protestam contra nomeação de reitor da UFFS, em Chapecó

Um grupo de estudantes protesta contra a nomeação do reitor da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), com campi em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná. Eles ocupam a sala de entrada da reitoria na universidade em Chapecó, desde a noite de sexta-feira (30).

A nomeação do professor Marcelo Recktenvald, de 44 anos, pelo presidente Jair Bolsonaro, foi publicada no Diário Oficial da União na quinta-feira (29). Ele foi o terceiro colocado dos votos para reitor da UFFS.

Conforme os estudantes que ocupam o prédio falaram para a equipe da NSC TV, a manifestação é por considerar a postura do presidente antidemocrática. Seriam 100 alunos ocupando o espaço, mas eles não irão se identificar por medo de represálias. A equipe de reportagem não pode entrar na universidade. Os portões estão fechados.

Marcelo Recktenvald enviou nota à imprensa neste sábado, em nome da chapa 4, dizendo que “compreende que a escolha do seu nome para reitor se deva principalmente em função do seu compromisso institucional e desejo de transformar a UFFS em uma universidade reconhecida pela sua qualidade, missão pública e função social”.

“Estamos comprometidos com o desenvolvimento da UFFS no que diz respeito ao avanço da qualidade no ensino, pesquisa e extensão, assim como no acesso e permanência dos estudantes, formação docente e técnico-administrativa e, ainda, nas questões pertinentes à infraestrutura de todos os campi. A UFFS precisa fortalecer seu compromisso com a comunidade para que, cada vez mais, novos estudantes ingressem em seus cursos e programas. O resultado do fortalecimento desses laços entre UFFS e comunidade resultará em desenvolvimento”, complementou Recktenvald, em nota.

A universidade informou que não irá se manifestar sobre a ocupação da sala da reitoria. O atual reitor é Jaime Giolo, que ocupa há nove anos o cargo na UFFS.

Nota dos docentes
A Seção Sindical dos Docentes da UFFS emitiu uma nota de repúdio. “A nomeação do professor Marcelo Recktenvald desconsidera o processo democrático de consulta pelo qual foi escolhido o reitor e a vice-reitora pela comunidade universitária. Uma afronta e um desrespeito, um riso sarcástico na cara de toda a UFFS. Não seremos coniventes com esta medida autoritária”, disseram, em nota.

Na próxima segunda-feira (2), às 16h, será realizada uma Assembleia Geral da categoria para definir as próximas ações da seção sindical.

Entenda o caso
A posse do novo reitor será quarta-feira em Brasília, no Ministério da Educação. Recktenvald assume o lugar de Jaime Giolo, que ocupava o cargo de reitor eleito da UFFS desde 2015, quando ocorreu o primeiro processo de consulta previa à comunidade universitária e a votação do Conselho Universitário (Consuni). Antes disso, desde 2009, o próprio Giolo estava à frente do cargo como reitor pro tempore, ou seja, que foi designado temporariamente pelo Ministério da Educação (MEC).

O processo de escolha de composição da lista tríplice para reitoria da universidade - o segundo em sua história - teve o primeiro turno realizado em 29 de abril deste ano. O processo de consulta prévia contou com quatro chapas inscritas e participação de mais de 6 mil pessoas. Recktenvald teve 21,40% do total de votantes, ficando em terceiro lugar.

O reitor nomeado por Bolsonaro na sexta não chegou a participar do segundo turno do processo, realizado em 28 de maio. Participaram as duas chapas mais votadas. O resultado foi Anderson André Genro Alves Ribeiro em primeiro lugar, com 54,1%; e Antônio Inácio Andrioli, com 45,9%.

Quem é o novo reitor
Marcelo Recktenvald é doutor em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), mestre em Administração pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB); possui especialização em Gestão Estratégica Empresarial pela Universidade de Passo Fundo (UPF) e especialização em Avaliação Institucional pela Universidade de Brasília (UnB) . Bacharel em Administração pela Universidade de Passo Fundo (UPF) e em Teologia pela Faculdade Kurios. Tem experiência nas áreas de Administração e Educação, com ênfase nos seguintes temas: gestão universitária, avaliação institucional e regulação, educação superior, políticas públicas, administração geral.

O professor leciona desde 2000. Na UFFS em Chapecó, desde julho de 2010. Ele é cristão, conservador, pastor por vocação e é membro da Igreja Batista de Balneário Camboriú, no Litoral Norte catarinense. Até março deste ano ocupou o cargo de Pró-Reitor de Gestão de Pessoas da universidade.

Fonte: G1 Santa Catarina