Chapecó | 15.03.2017 | 18h39 Geral

Estragos em São Francisco de Paula são 'compatíveis a tornado', diz Inmet

Devido a ventos de 140 km/h, fenômeno foi classificado de categoria F1.
Mais de 400 foram atingidas; um jovem morreu e cerca de 70 ficaram feridos.

Os estragos causados por um temporal no domingo (12) em São Francisco de Paula, na Serra do Rio Grande do Sul, são compatíveis a um tornado, segundo análise preliminar do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). O fenômeno atingiu mais de 400 casas - 40 foram destruídas - e forçou a retirada de mais de 1,6 mil pessoas de casa. Um jovem de 24 anos morreu atingido por uma barra de ferro e cerca de 70 pessoas ficaram feridos.

Conforme o Inmet, o "provável tornado" pode ser classificado como de categoria F1, quando a velocidade dos ventos variam entre 117 km/h e 180 km/h. Ao todo são seis categorias de tornados, a partir da velocidade dos ventos e poder destrutivo.

Segundo do Inmet, as rajadas de vento podem ter passado dos 140 km/h em São Francisco de Paula com base "nas imagens relacionadas aos danos materiais, como cortes de árvores, quedas de estruturas e devastação de algumas áreas localizadas".

Além de São Francisco de Paula, outra cidade atingida pelo temporal foi Santa Maria, na Região Central do estado. Veja como ajudar os moradores dessas duas cidades.

Prefeito assina situação de emergência
Na segunda-feira, o prefeito Marcos Aguzzoli encaminhou à Defesa Civil o decreto de situação de emergência. A expectativa é que a solicitação seja reconhecida em breve. "O vice-governador disse que com certeza será homologada, não tem como não ser. A gente espera que amanhã [terça, dia 14] mesmo seja reconhecido", afirmou ao G1.

O governador em exercício, José Paulo Cairoli, esteve na cidade e sobrevoou o local para avaliar os danos. A Defesa Civil informou que está auxiliando na confecção dos laudos e demais documentos. A intenção é realizar o processo com urgência, para que a cidade consiga se recuperar o quanto antes.

Ao G1, o prefeito explicou que a cidade não poderia se enquadrar em estado de calamidade pública. Só poderia se fosse registrado mais de um óbito. Por enquanto, a morte de um jovem de 24 anos foi confirmada.

Pelo menos seis bairros foram atingidos pelo temporal. Conforme relato dos moradores, a chuva e o vento duraram poucos minutos, mas os momentos foram de terror.

Um levantamento aponta que o prejuízo foi superior a R$ 21,2 mil, conforme divulgou nesta terça-feira (14) a Associação Comercial e Industrial (ACI) da cidade. O dado é referente a perdas no comércio, serviços, agronegócios e infraestrutura industrial.

Fonte: G1