Chapecó | 10.09.2019 | 08h30 Geral

E-mails mostram que LaMia e seguradora sabiam de proibições em voo da Chape

Uma série de e-mails trocados entre a proprietária da companhia aérea LaMia, a venezuelana Loredana Albacete, e o corretor de seguros da AON, o britânico Simon Kaye, demonstram que ambos sabiam das proibições para as operações da empresa boliviana que transportou a Chapecoense no fatídico voo que caiu no morro Cerro Gordo, em Medellín, na Colômbia, vitimando 71 pessoas em novembro de 2016.

Um dos exemplos ignorados por ambos é a proibição de que voos fretados sobrevoem o espaço aéreo da Colômbia. Além disso, as mensagens trocadas indicam favorecimentos políticos, desdém com a tripulação e um contato próximo com "aquela que cuida dos clubes de futebol".

Os e-mails estão numa série de documentos disponibilizados ao Senado Federal e obtidos pelo UOL Esporte que demonstram que a companhia aérea tinha seguro para a aeronave, à despeito das famílias ainda não terem recebido os valores sobre o acidente. Em um dos trechos, a negociação entre Loredana Albacete e Simon Kaye demonstra que a LaMia contava com uma série de voos futuros para convencer a AON a assegurar a nave.

Com base nas mensagens fornecidas pela própria família Albacete, proprietária da LaMia, as famílias que perderam entes queridos no acidente da Chapecoense agora cobram responsabilização dos governos colombiano, boliviano e das seguradoras AON, Bisa e Tokio Marine - esta, citada como responsável pelo pagamento de uma espécie de "fundo humanitário" oferecido para as famílias no valor de US$ 225 mil para cada família, um valor diferente dos US$ 300 milhões que as famílias pleiteiam mediante o valor padrão de uma apólice aérea.

Fonte: UOL