Chapecó | 17.07.2017 | 17h53 Geral

Catarinenses terão tratamento com remédio para prevenir HIV a partir de setembro

Projeto será implementado em oito estados e medicação será voltada para homens que fazem sexo com homens e mulheres transsexuais e travestis. Um novo método para reduzir o risco de transmissão do vírus HIV começa a ser implantado no país. Um projeto vai fornecer o medicamento que ajuda na prevenção ao HIV e é indicado para pessoas não infectadas, mas que estejam em situação de vulnerabilidade ao vírus. A partir de setembro, 3 mil pessoas em oito Estados brasileiros, incluindo Santa Catarina, devem começar a receber os antirretrovirais.

O projeto Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (ImPrEP) foi desenvolvido pelo Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

O Ministério da Saúde vai doar os antirretrovirais para os estados do Amazonas, de Pernambuco, da Bahia, de São Paulo, do Rio de Janeiro, Paraná, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul.

De início, o projeto irá atender 7,5 mil pessoas não infectadas do Brasil, México e Peru. Os remédios antirretrovirais serão administrados todos os dias para evitar a contaminação. Segundo a diretora do INI/Fiocruz, Valdiléia Veloso, o público-alvo da medida são homens que fazem sexo com homens e mulheres transsexuais e travestis.

A duração do projeto será de três anos, com a participação de instituições de ensino e pesquisa dos três países e financiamento de US$ 20 milhões da Unitaid, uma iniciativa global sem fins lucrativos que atua no incentivo de novos métodos para prevenção, diagnóstico e tratamento de HIV/Aids, tuberculose e malária.

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive-SC) diz que ainda não tem mais informações sobre como irá funcionar o projeto e quantos catarinenses serão atendidos. Uma reunião está marcada em Brasília, nos dias 22 e 23 de agosto, para abordar a implementação da PrEP no SUS, informa a Dive-SC.

Florianópolis está entre as primeiras cidades a oferecer o PrEP
A estratégia de prevenção ao HIV com medicamentos foi incorporada ao Sistema Único de Saúde (SUS) em maio deste ano e estará disponível nos serviços de saúde até o final de 2017, conforme o prazo estabelecido.

Inicialmente, a estratégia será implantada em 12 municípios e, gradativamente, será expandida para todo o país. As primeiras cidades a oferecer o medicamento serão: Porto Alegre; Curitiba; São Paulo; Rio de Janeiro; Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Manaus, Brasília, Florianópolis, Salvador e Ribeirão Preto.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda, desde 2012, a oferta da pré-exposição para casais soro diferentes, gays; homens que fazem sexo com homens; profissionais do sexo e pessoas transgêneros (travestis e transexuais), consideradas populações-chaves.

Fonte: WH3