Chapecó | 21.06.2019 | 21h42 Saúde

Bactéria que provoca meningite e circula em SC é a mais letal

Além de confirmar a existência de 19 casos de meningite meningocócica no Estado, a Dive-SC (Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina) informou que as situações registradas até então foram provocadas pela bactéria Neisseria Meningitides. Esta, por sua vez, é a forma mais grave da doença, e já provocou três mortes em Santa Catarina.

À reportagem do ND+, a Dive-SC afirmou que irá encaminhar um relatório completo sobre meningite no Estado na segunda-feira (24). O documento deve apresentar informações e números sobre as demais bactérias.

Em relação aos casos mais graves da doença, a meningococcemia pode ser transmitida pelas vias respiratórias e por gotículas e secreções do paciente, contato íntimo (residente da mesma casa, pessoas que compartilham o mesmo dormitório ou alojamento). A propagação também é facilitada em ambientes fechados e/ou sem ventilação.

Casos no Estado:
* Blumenau (2)
* Turvo (1)
* Itapema (1)
* Navegantes (1)
* São Francisco do Sul (1)
* Balneário Camboriú (1)
* Garopaba (1)
* Itajaí (1)
* Lages (1)
* Itapema (1)
* Porto União (1)
* Jaraguá do Sul (1)
* Fraiburgo (1)
* Criciúma (1)
* Itajaí (1)
* Bombinhas (1)
* Palhoça (1)
* Imbituba (1)

Mortes por meningite bacteriana, causada pela bactéria Neisseria meningitidis:
* Mulher, 18 anos, residente em Lages
* Bebê, 9 meses, residente em Jaraguá do Sul
* Mulher, 12 anos, residente em Imbituba

Caso mais recente
O caso mais recente de morte causado pela bactéria aconteceu no domingo (16). Uma estudante de 12 anos que contraiu a doença em Imbituba foi internada em Florianópolis, onde morreu.

A meningococcemia foi diagnosticada na menina após exames realizados pelo Lacen (Laboratório Central de Saúde Pública de Santa Catarina), que confirmaram que a meningite foi causada pela bactéria Neisseria meningitidis (meningococo), do sorogrupo C.

Além do caso fatal de domingo, outra menina, também de 12 anos, teve o quadro de meningite confirmado. Ela estuda na mesma escola de Imbituba da outra vítima, e está internada em Florianópolis, em estado estável.

A Dive-SC divulgou, entretanto, que o caso desta segunda adolescente se trata de contaminação por outra bactéria. O diagnóstico liberado pelo Lacen foi de meningite bacteriana por Streptococcus pneumoniae. Esta bactéria é diferente, portanto não há relação entre os dois casos de acordo com a Dive.

Fonte: ND +