Curitiba | 02.12.2019 | 14h41 Educação

Alunos do Paraná vão aprender Educação Financeira a partir de 2020

O Paraná foi o estado escolhido, na Região Sul, para oferecer em 2020 o projeto piloto fruto de uma parceria entre a Secretaria de Estado da Educação e do Esporte e o Banco Central que vai incluir Educação Financeira no currículo do Ensino Fundamental da rede estadual. A parceria se deu por meio do Programa Aprender Valor, coordenado pela autarquia federal, que tem como objetivo promover noções de Educação Financeira em escolas de todo o país.

A ideia é que a abordagem em relação à Educação Financeira se dê de forma transversal, integrando a temática, até então inédita na Educação Básica brasileira, ao processo de ensino e aprendizagem de Matemática e Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, de acordo com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Além da previsão trazida pela BNCC, o Banco Central justifica o programa com base nos baixos níveis gerais de letramento financeiro da população brasileira. É preciso, portanto, que o Poder Público se dedique a políticas que procurem solucionar tal problema. Para o secretário da Educação e do Esporte, Renato Feder, o conteúdo vai ser de extrema valia para os estudantes paranaenses.

"A educação financeira garante maior autonomia e segurança financeira lá no futuro. Conhecer conceitos básicos de economia, finanças, de como administrar o dinheiro - são conhecimentos fundamentais para qualquer trabalhador ou empreendedor. Queremos oportunizar isso aos nossos estudantes", aponta Feder.

EMPREENDEDORISMO
Também com o objetivo de contemplar as competências previstas na BNCC, que são um conjunto de aprendizagens e competências que todos os estudantes devem desenvolver em sua trajetória escolar, a pasta vai ofertar, também a partir de 2020, aulas de Empreendedorismo aos estudantes do Estado. Serão contemplados estudantes de 47 escolas.

A ementa prevê educação empreendedora, ética profissional, trabalho em equipe e cooperativismo, característica marcante do Estado. Com carga horária de duas horas semanais, a matéria buscará desenvolver nos jovens as noções de protagonismo e autonomia.

Neste primeiro momento, a disciplina será ministrada a alunos do 6° ao 9° ano de instituições de Ensino Fundamental Integral, que já possuem carga horária ampliada – são 45 aulas por semana em vez de 25, como nos demais colégios.

FORMAÇÃO
Nesta sexta-feira (29), técnicos dos Núcleos Regionais de Educação (NRE) participam de formação em Curitiba a respeito do Programa Aprender Valor, do Banco Central. A ideia é que esses servidores auxiliem as instituições de ensino de sua região na implementação do projeto.

O intuito é inserir no currículo escolar conceitos básicos de economia e finanças, visando à educação financeira dos alunos, promovendo a aprendizagem do uso consciente do crédito, a redução da inadimplência, a diminuição do endividamento excessivo dos cidadãos, a formação de poupança, entre outros benefícios.

Fonte: ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO