Chapecó | 14.11.2019 | 18h16 Justiça

Agricultor que estuprou e engravidou enteada e filha é condenado a 81 anos de prisão

Um morador de Ponte Serrada foi condenou a 81 anos de prisão em regime fechado. Ele foi sentenciado por estupro simples e qualificado de vulnerável, em continuidade delituosa, além de coação no curso do processo. O homem, um agricultor de 41 anos, engravidou a enteada e a filha, conforme comprovaram os depoimentos das vítimas, das testemunhas e os exames de DNA. A família morava longe da cidade, sem vizinhos nem energia elétrica.

De acordo com os autos, o homem começou a abusar da enteada em 2007, quando ela tinha apenas sete anos, e praticou o crime até fevereiro de 2019. Depois de engravidar, a vítima conseguiu contar sobre os 12 anos de pesadelo por meio da escuta especial, uma técnica humanizada para oitiva de menores vítimas de violência e abuso sexual. Ela disse: "Quero contar exatamente como aconteceu para que isso não se repita com as minhas filhas."

A filha do autor também sofreu abusos e engravidou. Com ela, os atos libidinosos iniciaram entre 13 e 14 anos de idade e pararam dois anos depois, com a gestação, quando ela também conseguiu falar sobre o assunto. Ainda segundo o processo, após os abusos, o réu ameaçava de morte as vítimas para que não relatassem a ninguém sua conduta espúria.

Ele, inclusive, ordenou que a enteada fosse à polícia e mentisse, dizendo que foi estuprada pelo ex-namorado. Quando os fatos se tornaram conhecidos das autoridades por meio de uma denúncia anônima, o agressor foi preso preventivamente. Em agosto, o juiz de 1ª instância condenou o réu a 109 anos e quatro meses de reclusão.

O agricultor recorreu ao TJ e sua defesa alegou que não ficou claro nos autos se as relações eram consentidas ou não.

Para o desembargador, a materialidade e a autoria dos crimes de estupro simples, qualificado e de vulnerável foram comprovadas pelo boletim de ocorrência, comunicação do Conselho Tutelar, certidões de nascimento das vítimas e de suas filhas, prova oral colhida no curso da persecução criminal e resultados dos exames de DNA.

O relator deu parcial provimento ao pedido da defesa apenas para readequar a fração de exasperação da pena-base relacionada ao crime de estupro de vulnerável contra uma das vítimas, para 1/6 (um sexto) na primeira fase do cálculo dosimétrico. Ele modificou o patamar de acréscimo relacionado à majorante prevista no art. 234-A, inciso III, do Código Penal, na terceira etapa do cálculo e, por fim, afastou o concurso material entre os crimes para aplicar a regra da continuidade delituosa específica, nos moldes do parágrafo único do art. 71 do Código Penal. Na prática, isso representou a minoração da pena de 109 anos e quatro meses para 81 anos.

Fonte: Poder Judiciário de Santa Catarina