Florianópolis | 06.01.2019 | 15h53 Polícia

Advogada publica fotos com nariz quebrado e denuncia agressão de ex em SC: 'Tenho medo'

Ana Cristina Rossi, de 26 anos, mora em São Paulo, onde trabalha como advogada. Há uma semana ela e um companheiro foram agredidos violentamente na saída de uma festa em Florianópolis. Cris, como é conhecida, postou fotos, prints de conversas e um texto nas redes sociais denunciando as agressões e o caso viralizou. A suspeita é de que o ex-namorado tenha provocado as agressões, mas ele nega que a situação tenha ocorrido conforme o relato da vítima e que está tomando as medidas necessárias para comprovar que o ato "não foi intencional".

Ela, que visita os pais e amigos capital catarinense, conta que, quando se apaixonou pelo suspeito, que reside na mesma cidade, não esperava ter um relacionamento abusivo, em que era obrigada a dar senhas de redes sociais, tinha restrição para ter acesso aos amigos e de perseguição com o término que ocorreu há quatro meses, segundo disse ao G1. "Por puro ciúmes, sentimento de posse", disse. Ela explicou que postou as fotos porque queria proteger a família e ajudar as mulheres que estão passando pela situação, “ninguém merece isso, a dor emocional é maior que a física”.

Em seu perfil nas redes sociais, ela publicou fotos em que aparece com o nariz quebrado, que recebeu centenas de comentários e compartilhamento. A agressão, segundo a advogada, ocorreu na madrugada do dia 30 de dezembro na saída de uma festa no Sul da Ilha, após seu ex encontrar com a vítima acompanhada. Além dela ter ficado ferida, o companheiro chegou a ser empurrado e caiu de uma altura de três metros. Ele precisou ser hospitalizado e sofreu lesões na coluna.

Questionada sobre agressões anteriores, a vítima negou que ele teria a ferido, mas que ocorreu situações de violência verbal e que ele chegou a quebrar com um chute uma porta de um hotel.

O caso foi registrado na Delegacia de Proteção a Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (Dpcami) horas depois da agressão. Uma medida protetiva de urgência foi deferida um dia depois. Ela também disse que passou por exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML).

No entanto, a vítima diz que está com "medo". "Eu não posso mais andar sozinha, não posso ir ao mercado sozinha, porque tenho medo. É uma situação muito complicada. Sou de São Paulo vou voltar para lá, mas minha família que é daqui como fica? Eu não sei do que ele é capaz", disse.

No momento, Cris se recupera e o companheiro atual recebeu alta hospitalar, mas está afastado do trabalho e precisa de cuidados na recuperação. Ele preferiu não falar com a reportagem.

Ao G1, o suspeito da agressão preferiu não se manifestar sobre o assunto, e disse que está tomando as providências para esclarecer o caso na polícia. A reportagem também procurou a Dpcami e foi informada que não pode passar informações sobre o inquérito em andamento.

Foto: Arquivo pessoal

Fonte: G1