Chapecó | 13.02.2017 | 08h54 Geral

Adele brilha e é a grande vencedora do Grammy

Cantora ganhou nas cinco categorias em que concorria, incluindo Melhor Música e Álbum do Ano.

O Grammy 2017 premiou vários artistas, mas nenhum nome brilhou tanto quanto o de Adele. A premiação mais aclamada da indústria fonográfica terminou do mesmo jeito que começou, com a cantora dando show. No início, a britânica abriu os serviços do evento cantando seu mega-sucesso “Hello”. Durante a noite, venceu nas cinco categorias em que concorria e emocionou os presentes no Staples Center com um tributo a George Michael. No final, ao receber o prêmio mais importante, o de álbum do ano, a londrina de 28 anos dedicou boa parte de seu discurso à Beyoncé, com quem disputava o troféu, levando o público ao delírio.
"Você luta para ser uma mãe, é realmente difícil. Esta noite, vencer é como se um pouco de mim voltasse para mim mesma”, disse, em meios aos agradecimentos à sua equipe e famíla “Mas eu não posso aceitar este prêmio. Eu estou muito humilde, grata e graciosa. Mas, a artista da minha vida é Beyoncé, e este álbum para mim, o álbum ‘Lemonade’, foi tão monumental. Tão bem pensado, bonito e cheio de alma. Todos nós pudemos ver um outro lado seu que você nem sempre nos deixa ver e nós apreciamos isso”, falou. “Todos os artistas aqui te adoram. Você é nossa luz. E o jeito que você faz com que eu e meus amigos nos sintamos; a maneira que você faz meus amigos negros se sentirem é empoderadora. E você faz que eles se levantarem. Eu te amo, sempre te amei, sempre vou amar”, finalizou, levando Beyonce às lágrimas na plateia.
Adele, cujo trabalho “25” foi o mais vendido no mundo no ano passado, levou para casa as estatuetas de Melhor Performance Pop Solo, Melhor Álbum Pop Vocal, Gravação do Ano, Canção do Ano e Álbum do Ano. Com isso, ela se tornou a primeira pessoa a vencer duas vezes a disputa de canção, gravação e álbum do ano em uma mesma edição - anteriormente, ganhara em 2012, com “Rolling In The Deep” e o disco “21”. Ao todo, foram 3h30min de premiação, como várias apresentações musicais chamadas de forma entusiasmada pelo anfitrião James Corden. O humorista deu mais leveza e renovou a cerimônia, após cinco anos seguidos comandados por LL Cool J, chegando a ficar de cueca no palco.
Em seu tributo a George Michael, de quem era amiga, Adele cantou uma versão personalizada de “Fast Love”, de 1996. Além de emocionada, ela também estava fora de tom, o que a incomodou. Foi então que pegou todos de surpresa: pediu para parar a música, para recomeçar e ainda soltou um palavrão. “Sei que isso é TV ao vivo, me desculpem, mas não posso fazer como no ano passado. Podemos começar de novo? Desculpe, não posso f... tudo por ele". Depois de finalizada a apresentação, ela foi muito aplaudida, mas saiu para o backstage chorando.
Beyoncé:
Líder de indicações na noite, com nove nomeações, Beyoncé levou apenas dois troféus para casa: Videoclipe, por “Formation” e Álbum 'Urbano' Contemporâneo, por Lemonade. “Todos experimentamos dor e perda, e muitas vezes nos tornamos inaudíveis. Minha intenção para o filme e álbum foi criar um corpo de trabalho que daria uma voz para a nossa dor, nossas lutas, nossas trevas e nossa história. Para enfrentar problemas que nos deixam desconfortáveis”, comentou ao receber a segunda distinção. “É importante mostrar imagens aos meus filhos para refletir sua beleza, para que eles possam crescer em um mundo onde eles possam olham no espelho,, bem como as notícias, o Super Bowl, os Jogos Olímpicos, a Casa Branca, e o Grammy, e não tenham dúvidas de que são bonitos, inteligentes e capazes”, finalizou.
A americana de 35 anos também cantou, e encantou, na premiação. Em uma performance cheia de referências religiosas e misticismo, ela mostrou ao público pela primeira vez sua barriga de grávida - ela espera gêmeos. Vestida como uma deusa, “Queen B”, que já tem uma filha, a pequena Blue Ivy, que estava na plateia ao lado do pai, Jay Z, apresentou as músicas "Love Drought" e "Sandcastles”. Com um tom intimista, ela arrancou aplausos dos convidados. Sua irmã Solange garantiu outro troféu para a família Knowles. Foi premiada como Melhor Performance R&B com a música “Cranes In The Sky”.
Destaques da noite:
David Bowie, morto em janeiro do ano passou, ganhou os primeiros prêmios Grammy de sua carreira nas categorias de música - o britânico tinha conseguido em 1984 a láurea de melhor Videoclipe com "Jazzin for Blue Jean”. Agora, Bowie venceu na categoria de Melhor Performance de Rock, Melhor Canção de Rock pela música "Blackstar" e Melhor Álbum de música alternativa pelo disco homônimo, seu último lançamento. Ele também foi o escolhido nas categorias de melhor pacote de gravação, prêmio compartilhado com o diretor artístico Jonathan Barnbrook.
Bruno Mars também fez bonito no Grammy. O cantor, um dos produtores da música “All I Ask”, que compõe o disco “25”, da grande estrela da noite, esbanjou sensualidade em duas apresentações. Na primeira, ele cantou a faixa “That’s What I Like”, do seu álbum “24K Magic”, lançado no ano passado. Mais tarde, vou ao palco para um tributo ao lendário Price. A homenagem começou com a banda “The Time”, que fez um cover de “The Bird” - eles e o músico, falecido em abril do ano passado, tinham uma conexão bastante forte, pois ele ajudou o grupo a ser formado. Depois, Mars apareceu no palco para cantar "Let's Go Crazy" e, no fim, lançou um solo de guitarra, fazendo com que a multidão enloquecesse.
Katy Perry aproveitou a premiação para cantar pela primeira vez ao vivo sua mais nova música, "Chained To The Rhythm", ao lado de Skip Marley, neto de Bob Marley. Assim como a letra, a performance foi uma espécie de manifesto para a sociedade se envolver mais politicamente. Foram várias referências aos prédios construídos pela empresa do presidente americano Donald Trump e até mesmo o polêmico muro apareceu para ser derrubado por bailarinos. Já os roqueiros do Metallica não tiveram tanta sorte. Eles cantaram junto com Lady Gaga, num show incendiário e cheio energia, mas o microfone de James Hetfield não funcionou na maior parte da performance. Depois da apresentação, o vocalista, visivelmente indignado, fez cara feia e jogou o objeto no chão.
Confira os principais vencedores do Grammy:
Gravação do ano:
"Hello" – Adele
Álbum do ano:
"25" – Adele
Música do ano:
"Hello" – Adele
Artista revelação:
Chance The Rapper
Melhor performance solo de pop:
"Hello" – Adele
Melhor performance em dupla ou grupo de pop:
"Stressed Out" – Twenty One Pilots
Melhor álbum de pop vocal:
"25" — Adele
Melhor música de rock:
"Blackstar" – David Bowie
Melhor performance de rock:
"Blackstar" — David Bowie
Melhor performance de metal:
"Dystopia" - Megadeth
Melhor álbum de rock:
"Tell Me I'm Pretty" - Cage The Elephant
Melhor álbum de música alternativa:
"Blackstar" - David Bowie
Melhor performance de R&B:
"Cranes in the Sky - Solange
Melhor música de R&B:
"Lake By the Ocean" — Maxwell
Melhor álbum de R&B:
"Lalah Hathaway Live" — Lalah Hathaway
Melhor álbum urban contemporary:
"Lemonade" — Beyoncé
Melhor álbum de rap:
"Coloring Book" — Chance The Rapper
Melhor performance de rap:
"No Problem" – Chance The Rapper
Melhor performance vocal de rap:
"Hotline Bling" — Drake
Melhor videoclipe:
"Formation" — Beyoncé

Fonte: WH Comunicações