Chapecó | 29.10.2018 | 08h15 Esportes

A polêmica do handebol: Argentina questiona elas de biquíni

Elas usam biquíni, eles usam short, e essa diferença provocou polêmica dos Jogos Olímpicos da Juventude, em Buenos Aires. Os uniformes em questão foram usados pelas atletas e pelos atletas do handebol de praia. São determinados em regra. Mas os argentinos reagiram mal às diferenças. Jornais do país questionaram até que ponto isso seria sexismo.

Pelo regulamento da Federação Internacional de Handebol (IHF), os meninos devem usar shorts curtos. "Os shorts dos jogadores podem ser mais largos, mas devem permanecer 10 centímetros acima do joelho", diz a regra. Para as meninas, vale o seguinte: "usar biquíni que esteja de acordo como restante do uniforme, com um corte ajustado e num ângulo ascendente até a parte superior da perna. A largura lateral deve ser de, no máximo, 10 centímetros". Essa regra é usada em qualquer competição de handebol de praia, não exclusivamente nos Jogos da Juventude.

Além da diferença de vestimenta para meninos e meninas, outra questão gerou polêmica na Argentina. O uniforme da seleção local teria biquínis ainda menores que os de adversárias. Segundo o jornal Clarín, "as argentinas escolheram uma versão mini, talvez culturalmente mais acostumadas que outros países com tabus sobre o corpo feminino, mas ainda mais expostas a olhadas que a vinculem como um objeto sexual estereotipado".

O assunto tem tomado as manchetes na Argentina. "Polêmica nos Jogos Olímpicos da Juventude pela roupa da equipe feminina de handebol de praia", estampou o jornal Clarín. "Por que as meninas do handebol de praia devem jogar de biquíni?", perguntou o site da TV argentina TyC.

Fonte: AFP